A transfobia no processo de recrutamento e seleção de pessoal no Brasil: é possível falar em inclusão?

Autores/as

Palabras clave:

recrutamento, seleção, transgêneros, preconceito.

Resumen

O presente trabalho consiste em um estudo teórico e empírico sobre os preconceitos enfrentados pelos transgêneros ao realizar entrevistas de emprego com os gestores de recursos humanos das organizações. O objetivo geral deste trabalho é realizar um estudo acerca dos entraves e desigualdades enfrentados por transgeneros quando de sua inserção no mercado de trabalho e, os objetivos específicos são: a) Realizar uma análise acerca das políticas sociais direcionadas a esse público; b) Relacionar o estudo proposto ao exercício profissional dos gestores de pessoas; c) Conceituar homofobia e transfobia. A metodologia adotada consiste no método de revisão bibliográfica sobre a temática proposta no presente artigo. A intolerância à transsexualidade e a homofobia estão impregnadas em todos os âmbitos sociais, incluindo o mercado de trabalho que deveria adotar políticas mistas, porém ele é permeado de segregações de todo gênero. Nesse sentido é possível perceber que as políticas do mercado de trabalho são altamente excludentes, onde a sexualidade é tratada como um quesito de diferenciação dos demais trabalhadores indo assim contra princípios constitucionais. Para o desenvolvimento da pesquisa foi realizado um estudo bibliográfico sobre o tema com autores que abordam a temática sobre mercado de trabalho e transeuxualidade. A metodologia utilizada neste artigo buscou analisar e interpretar por meio da literatura existente, algumas variáveis relacionadas a inserção das travestis no mercado de trabalho. Também se utilizou de fontes secundárias como a pesquisa telematizada feita em artigos e anais em sites da internet, que abordaram o tema proposto. A revisão de literatura ocorreu no período de abril ao mês de maio de 2018. 

Biografía del autor/a

Paloma de Lavor Lopes, Centro Universitário Geraldo Di Biase (UGB) y Faculdade Sul Fluminense (FaSF)

Paloma de Lavor Lopes. Possui graduação em Ciências Econômicas - Faculdades de Economia e Finanças Ibmec (2003) e mestrado em Ciências Econômicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2008). Na Faculdade Sul Fluminense (FaSF) atua como professora dos cursos de Psicologia e Administração e no Centro Universitário Geraldo Di Biase (UGB) atua como professora dos cursos de graduação em Administração, Recursos Humanos, Serviço Social, Logística e Direito, como coordenadora e professora da pós-graduação MBA em Administração Financeira, Controladoria e Auditoria, como professora da pós graduação nos MBA Executivo em Gestão Estratégica de Negócios e MBA Executivo em Gestão de Competências e Talentos Humanos, além de ser Membro do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos - CEP UGB. É consultora - Lavor e Lopes Consultores Associados Ltda e voluntária da Casa da Criança e do Adolescente de Volta Redonda. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia da Educação e Métodos Quantitativos, atuando principalmente nos seguintes temas: economia, economia do setor público, finanças pessoais, finanças corporativas, responsabilidade social, administração financeira e auditoria. 

Renan Gomes de Moura, Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO)

Renan Gomes de Moura. Doutorando em Administração (UNIGRANRIO-Universidade do Grande Rio), Mestre em Administração (UNIGRANRIO - Universidade do Grande Rio, 2017), Especialista em Gestão de Competências e Talentos Humanos (UGB - Centro Universitário Geraldo Di Biase, 2014) e Administrador (UGB - Centro Universitário Geraldo Di Biase, 2012). Atua na área de Estudos Organizacionais com foco nos seguintes temas: homossexualidade, feminismo, diversidade, gênero, sexualidade, feminilidades e masculinidades, identidade, recursos humanos, dominação no trabalho e estudos críticos. Tem interesse também em estudos relacionados à Teorias Organizacionais.

Citas

Adelman, M. (2003). Travestis e Transexuais e os Outros: Identidade e Experiências de Vida. Niterói: UFF.

Barros, A. M. de. (2009). Proteção à intimidade do empregado. São Paulo: LTr.

Bohlander, G., Snell, S., Sherman, A. (2005). Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Borges, V., Predes, R. (2002). Serviço social: Temas em debate. Maceió: Editora Edufal.

Brasil, Ministério do Trabalho. (2006). Programa Brasil, Gênero e Raça: Orientações Gerais. Brasília: Ministério do Trabalho.

Brasil, Ministério da Saúde. (2004). Brasil sem Homofobia: Programa de Combate à Violência e à Discriminação contra GLTB e de Promoção da Cidadania Homossexual. Brasília: Ministério da Saúde.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Caxito, F. (2008). Recrutamento e Seleção de Pessoas. Curitiba: IESDE.

Chiavenato, I. (2002). Recursos Humanos. São Paulo: Atlas.

Chiavenato, I. (1999). Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier.

Chinoy, E. (1969). Sociedade – uma Introdução a Sociologia. São Paulo: Editora Cultrix.

Costa, A., Sorj, B., Brunschine, C., Hirata, H. (2008). Mercado de trabalho e gênero. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Facco, L. (2009). Era uma vez um casal diferente: a temática homossexual na educação literária infanto-juvenil. São Paulo: Summus.

Fleury, A. R. D., Torres, A. R. R. (2010). Homossexualidade e Preconceito: o que pensam os futuros gestores de pessoas. Curitiba: Juruá.

Fleury, M. T. L. (2000). Gerenciando a Diversidade Cultural: Experiência de empresas brasileiras. Revista de Administração de Empresas. v. 40, nº 3, p. 18-25.

Fraimen, L. (1997). A importância da participação. Dissertação de Mestrado. São Paulo: USP/ Instituto de Psicologia.

Fraggionato, D., Guelfi, C., Molina, V. (2009). Caderno de Pesquisa em Serviço Social. São Paulo: Editora Biblioteca 24 Horas.

Gil, A. (1994). . Administração de Recursos Humanos: um enfoque profissional. São Paulo: Atlas.

Gramigna, M. R. (2002). Modelo de competência e gestão dos talentos. São Paulo: Makronbooks.

Guimarães, A. (2004). Preconceito e discriminação. São Paulo: Editora 34.

Lauretis, T. (1987). Tecnologias de gênero: ensaios sobre a teoria, cinema e ficção. Indianápolis: Midland Book.

Leite, J. (2011). Nossos também mudam: a invenção das categorias “travestis” e “transexual” no discurso científico. São Paulo: Annablume.

Lobo, E. (1991). Os usos do gênero: A classe operária tem dois sexos. São Paulo: Brasiliense.

Louro, G. L. (2001). Teoria QUEER: Uma Política Pós-identitária para a Educação. in: Revista de Estudos Feminista, Florianópolis: v. 9 n. 2, 541-553.

Marras, J. P. (2000). Administração de Recursos Humanos: do operacional ao estratégico. São Paulo: Futura.

Milkovich, G. T. (2000). Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Atlas.

Nascimento, E. (2003). Alternativas de mercado de trabalho para as travestis de Aracaju. Aracaju: Ministério da Justiça.

Picazio, C. (1999). Sexo secreto: Temas polêmicos da sexualidade. São Paulo: Edições GLS.

Pillay, N. (2013). Nascidos Livres e Iguais: Orientação sexual e identidade de gênero no regime internacional de direitos Humanos. Brasília: UNAIDS.

Rampazzo, L. (2002). Metodologia científica: para alunos do curso de graduação e pós-graduação. São Paulo: Loyola.

Reainaudo, F., Bacellar, L. (2008). O mercado GLS: Como obter sucesso com o segmento de maior potencial da atualidade. São Paulo: Ideia & Ação.

Renault, L. O. L., Ríos, M. I. F. (2010). Discriminação: Desdém da Pessoa Humana em Branco e Preto. São Paulo: LTr.

Robbins, S. P. (2005). Comportamento Organizacional. São Paulo: Prenice Hall.

Scott, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. 1990 v.16, n.2, p.5-22.

Silva, J. M. (2009.) Geografias Subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidade. Ponta Grossa PR: Todapalavra.

Tepedino, G. (2011). A legitimidade constitucional das famílias formadas por uniões de pessoas do mesmo sexo. Disponível em: http://bibliotecadigital.mpf.mp.br/bdmpf/bitstream/handle/11549/7809/BC_22e23_Art05.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Polyphōnía: Rev. Educ. Inclusiva, Santiago, v.3, n.2, p.216-234, ago./dic. 2019-e-ISSN: 0719-7438.

Publicado

2019-07-26

Número

Sección

Artículos de Revisión: Reflexividades Polyphōnícas