Eles também emvelhecem… peculiaridades do envelhecimento das pessoas com deficiência intelectual

Autores/as

  • Fátima Elisabeth Denari Universidade Federal de São Carlos
  • Priscila Alvarenga Cardoso Gimenes Universidade do estado de Minas Gerais

Palabras clave:

deficiência intelectual, envelhecimento, produção científica brasileira.

Resumen

A expectativa de vida das pessoas com deficiência intelectual vem crescendo nos últimos anos e muitas estão alcançando a velhice, impondo à sociedade a necessidade de conhecer suas características e propor ações para assegurar a elas melhores condições de vida. Tendo em vista a restrita quantidade de estudos nacionais e a pouca divulgação dos mesmos, é relevante sistematizar e divulgar os conhecimentos construídos sobre esta temática. Neste sentido, foi realizada uma pesquisa bibliográfica com o objetivo de apresentar algumas peculiaridades do envelhecimento das pessoas com deficiência intelectual e sistematizar os estudos publicados no país que abordam o assunto. Para tanto foi empreendida uma pesquisa bibliográfica com revisão de literatura dos trabalhos nacionais publicados nas bases de dados ScientificElectronic Library Online (Scielo), Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) - Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), em sites e páginas de universidades e na Revista APAE Ciência, tendo como recorte temporal o período entre 2003 e 2015.Atenderam aos critérios 36 trabalhos, sendo dois livros e 34 trabalhos científicos, dentre eles uma tese de doutorado, três dissertações de mestrado, um capítulo de livro, uma entrevista e 28 artigos. A pesquisa bibliográfica possibilitou conhecer algumas características do processo de envelhecimento das pessoas com deficiência, com destaque para os desafios relacionados, sobretudo, às condições de saúde e aos seus cuidadores. A análise na produção nacional sobre o tema evidenciou que existem poucos estudos publicados e destes uma grande parcela refere-se a pesquisas incipientes, ou que abordam a temática de forma superficial, ressaltando a necessidade de estudos mais aprofundados e interdisciplinares que abordem a temática em suas diversas facetas.

Biografía del autor/a

Fátima Elisabeth Denari, Universidade Federal de São Carlos

Possui graduação em Estudos Sociais pela Associação de Escolas Reunidas de São Carlos (1976), graduação em Complementação Pedagógica pela Faculdade Sâo Luiz (1986), mestrado em Educação Especial (Educação do Indivíduo Especial) pela Universidade Federal de São Carlos (1984) e doutorado em Metodologia do Ensino pela Universidade Federal de São Carlos (1997). Atualmente é professor associado 4 junto ao departamento de Psicologia da Universidade Federal de São Carlos e professor e orientador de mestrado e doutorado junto ao Programa de Pós Graduação em Educação Especial. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia do Desenvolvimento Humano, atuando principalmente nos seguintes temas: educação especial, educação inclusiva, sexualidade e deficiência e formação de professores. Desde 2013 atua como professor colaborador junto ao Programa de Pós Graduação em Diversidade e Educação Sexual da FCL/UNESP, campus de Araraquara. 

Priscila Alvarenga Cardoso Gimenes, Universidade do estado de Minas Gerais

Doutora em Educação Especial Pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar (2017), Mestre em Serviço Pela Sociais Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho Dr." UNESP Franca (2012) Licenciatura Plena em em Pedagogia Pela Universidade de Franca Unifran ( 2004). Especialista em Psicopedagogia e em Planejamento, Implementação e Gestão de cursos à distância. Possui cursos especiais Aperfeiçoamento em Educação e Inclusiva, Educação para a Diversidade, Atendimento Educacional Especialista, Alfabetização, Gestão Escolar, Enriquecimento Programa Instrumental - PEI. Participar do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a dimensão educacional do trabalho social - UNESP Franca. Atuou como professora de Educação Infantil e Educação Fundamental em escolas públicas e privadas, cabelo Responsável como pedagogo dois Alunos com atendimento Deficiências, dificuldades e distúrbios aprendizagem, como gerente de Formação de pedagogos e atualmente como gerente de Formação contínua na na Professores Modalidade EAD Secretário Municipal Educação da Franca. É Professor da Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG Unidade Frutal. Foi coordenadora do subprojeto do Programa Institucional de Iniciação à docência - PIBID. Tem uma área de especialização em Educação, com ênfase em Educação Especial e Inclusiva, Dificuldades de aprendizagem, Práticas de Ensino, Currículo, Gestão escolar e Educação infantil. como gerente de formação de pedagogos e ao mesmo tempo como gestor de formação continuada de professores na modalidade de EAD na Secretaria Municipal de Educação de Franca. É Professor da Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG Unidade Frutal. Foi coordenadora do subprojeto do Programa Institucional de Iniciação à docência - PIBID. Possui Experiência área da Educação, na ênfase com Educação em especial e inclusiva, Dificuldades de aprendizagem, Práticas Ensino, Currículo, Escola Crianças Gestão e Educação. como gerente de formação de pedagogos e ao mesmo tempo como gestor de formação continuada de professores na modalidade de EAD na Secretaria Municipal de Educação de Franca. É Professor da Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG Unidade Frutal. Foi coordenadora do subprojeto do Programa Institucional de Iniciação à docência - PIBID. Tem uma área de especialização em Educação, com ênfase em Educação Especial e Inclusiva, Dificuldades de aprendizagem, Práticas de Ensino, Currículo, Gestão escolar e Educação infantil. 

Citas

Aguiar, A. A. (2015). Deficiência intelectual, envelhecimento e neurociência: programas de intervenção cognitiva mais consistentes para as pessoas com deficiência intelectual e seus familiares. Revista Deficiência Intelectual, n. 9, ano 5, p. 30-35, jul-dez 2015. Recuperado de: <http://www.apaesp.org.br/pt-br/sobre-deficiencia-intelectual/publicacoes/PublishingImages/revista-di/artigos_pdf/DI_N9.pdf>. Acesso em 7 jan. 2016.

Albuquerque, S. M. L. (2008). Envelhecimento ativo: desafio do século. São Paulo, Brasil: Andreoli.

Aldrigue, A. S. C.; Souza, F; Santos; T. F. P. (2015). Deficiente intelectual e família: um estudo sobre o envelhecer. APAE Ciência Federação Nacional das Apaes- Fenapaes Brasília/DF v.2 nº2 p. 4 - 8 ago.-dez.2015. Recuperado de:<http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/75>. Acesso em 7 jan. 2016.

Alves, P. J. M. C. (2012). Estudo de follow-up do processo de envelhecimento de adultos com deficiência mental. 54 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2012. Recuperado de: <http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/6906/1/ulfpie040142_tm.pdf>. Acesso em: 9 jul. 2015.

Amaral, L. A. (1994). Pensar a diferença: deficiência. Brasília, DF: Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência.

Aranha, M. S. F. (1995). Integração social do deficiente: análise conceitual e metodológica. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, n. 2, p. 63-70, 1995. Recuperado de: <http://www.sorri.org.br/sites/default/files/A%20defici%C3%AAncia%20atrav%C3%A9s%20da%20hist%C3%B3ria%20-%20Temas%20em%20Psicologia%20.pdf>. Acesso em: 11 jul. 2015.

Araujo, L. A. D.; Carvalho, T. A. O. P. ( 2015). Envelhecimento e deficiência: uma dupla vulnerabilidade. APAE Ciência Federação Nacional das Apaes- Fenapaes Brasília/DF v.2 nº2 p. 9 - 12 8 ago.-dez.2015. Recuperado de: <http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/76/49>. Acesso em 7 jan. 2016.

Beauvoir, S. (1990). A velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bento, V. C. P. (2008). Respostas sociais para o envelhecimento do indivíduo portador de deficiência mental. 434 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Instituto Superior de Serviço Social da Universidade Lusitana de Lisboa. Lisboa: [s. n.]. Recuperado de: <http://www.cpihts.com/PDF04/Mestrado%20Vera%20Bento_c%20seguranca.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2015.

Biancheti. L. (1995). Aspectos históricos da Educação Especial. Revista Brasileira de Educação Especial,Piracicaba,v. 2,. n. 3. Recuperado de: <http://www.abpee.net/homepageabpee04_06/sumarios/sumariorevista3.htm>. Acesso em: 11 jul. 2015.

Biancheti. L. (1998). Aspectos históricos da apreensão e da educação dos considerados deficientes. In. Bianchetti, L.; Freire, I. M. (Org.). Um olhar sobre a diferença: interação, trabalho e cidadania. Campinas, SP: Papirus.

Brasil, F. R.; Fortanazi, S. A.; Correr, R. (2003). Desenvolvimento da identidade em pessoas com deficiência mental em fase de envelhecimento. Revista científica eletrônica de Psicologia, Marília, ano I número 1, nov. Recuperado de: <http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/9tKVEB8M6YLykL1_2013-4-30-10-26-30.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2015.

Brasil, Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) / Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD) (2013). Viver sem Limite: Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com deficiência: SDH-PR/SNPD.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 5 out. 1988. Anexo. Recuperado de: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm> Acesso em 29 jul. 2015.

Brasil. Lei n. 7853,de 24 de outubro de 1989. (1989). Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - Corde, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 25 out. 1989. Recuperado de: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L7853.htm>. Acesso em: 29 jul. 2015.

Brasil. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. p. 27833. Recuperado de: <http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/tvescola/leis/lein9394.pdf>. Acesso em: 29 jul. 2015.

Brasil. Lei n. 10.741, de 1 de outubro de 2003. (2003). Dispõe sobre o estatuto do idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 03 out. 2003. p.1. Recuperado de: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm>. Acesso em: 9 jul. 2015.

Brasil. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. (2008). Brasília, DF. Recuperado de: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf>. Acesso em: 29 jul. 2015.

Breitenbach, N. (2001). Paralelos em envelhecimento. Recuperado de: <http://www.portaldoenvelhecimento.org.br/acervo/artieop/Geral/artigo2.htm>. Acesso em: 10 out. 2015.

Caldas, C. P. (2004). O significado de cuidar de uma pessoa idosa que vivencia um processo demencial. In: FILHO, A. S. C.; GROTH, S. M. (Orgs.). Envelhecimento e deficiência mental: uma emergência silenciosa. São Paulo: APAE.

Carvalho, C. L.; Ardore, M.; Castro, L. R. (2015). Cuidadores familiares e o envelhecimento da pessoa com deficiência intelectual: implicações na prestação de cuidados. Revista Kairós Gerontologia, v.18 n.3, pp. 333-352. São Paulo: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP , jul. - set. 2015.

Carvalho, R. E. (1997). A nova LDB e a Educação Especial. Rio de Janeiro: WVA. Recuperado de: http://www.todosnos.unicamp.br:8080/lab/acervo/capitulos/A%20nova%20LDB%20-%20parte%201.doc>. Acesso em 28 out. 2015.

Cavalheiro, E. A.; Scorza, C. A. (2011). Envelhecimento e deficiência intelectual. DI Revista de deficiência intelectual. Ano 1, n. 1, p. 26 – 29. jul. – dez. 2011. Recuperado de: <http://www.apaesp.org.br/instituto/Documents/Revista_DI_N01.pdf>. Acesso em 10 jul. 2015.

Cipolla, M. A.; Lopes, A. (2012). Envelhecimento e Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais do município de São Paulo: uma caracterização dos serviços de atendimento a pessoa com deficiência intelectual. Revista Temática Kairós Gerontologia. n. 15, p.239-267, dez. 2012. Recuperado de: <http://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/17306>. Acesso em 10 jul. 2015.

Clemente Filho, A. S.; Groth, S. M. (Org.) (2004). Envelhecimento e deficiência mental: uma emergência silenciosa. São Paulo: Instituto APAE.

Costa, L. B. B. (2012). Essas pessoas que envelhecem...saberes de adultos com deficiência intelectual. 121f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Recuperado de: < http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/61972> Acesso em 20 out. 2014.

Fioravante, C. (2011). O preço da longevidade. Revista Pesquisa FAPESP, v. 189, p. 42 - 45. nov. 2011. Recuperado de: <http://revistapesquisa.fapesp.br/2011/11/30/o-preco-da-longevidade/?cat=ciencia>. Acesso em 10 jul. 2015.

Flórez, J. (2000). Aspectos médicos delanciano com deficiencia mental. In: GAFO, J.; AMOR, J. R. Deficiencia mental y final de la vida. Madrid: Universidad Pontificia Comillas.

Girardi, M.; Portella, M. R.; Colussi, E. L. (2012). O envelhecimento em deficientes intelectuais. RBCEH, Passo Fundo, v. 9, Supl. 1, p. 79-89, 2012. Recuperado de: . Acesso em: 20 jan. 2015.

Guhur, M. L. P.; Guhur, J. V. M. (2012). O envelhecimento de pessoas com deficiência mental e os desafios para famílias e instituições socioeducativas: um estudo exploratório descritivo. RBCEH, Passo Fundo, v. 9, n. 3, p. 316 – 329, set /dez. 2012. Recuperado de: <http://www.upf.br/seer/index.php/rbceh/article/viewFile/1030/pdf>. Acesso em 10 jul. 2015.

Guilhoto, L. M. F. F. (Org.) Envelhecimento e deficiência Intelectual: uma emergência silenciosa. 2. ed. São Paulo: Instituto APAE de São Paulo, 2013.

Guilhoto, L. M. F. F. (Org.) (2013). Envelhecimento e deficiência Intelectual: uma emergência silenciosa. 2. ed. São Paulo: Instituto APAE de São Paulo.

Guilhoto, L. M. F. F. et al. (2013). Deficiência Intelectual e aspectos da saúde do adulto e envelhecimento. In: Guilhoto, L. M. F. F. (Ed.) Envelhecimento e Deficiência Intelectual: uma emergência silenciosa. São Paulo: Instituto APAE DE SÃO PAULO, 2013. p. 231-244.

Guilhoto, L. M. F. F. et. al. (2014). Envelhecimento e deficiência intelectual na grande São Paulo. DI Revista de deficiência intelectual. Ano 4, v. 7, p. 4 -11. Jul. – dez. 2014. Recuperado de: <http://www.apaesp.org.br/instituto/Documents/Revista%20DI_n7.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2015.

Hayar, M. A. (2015). Envelhecimento e deficiência intelectual: o cuidador familiar como protagonista nos cuidados ao idoso. Revista APAE Ciência: Federação Nacional das Apaes - Fenapaes. Brasília/DF v.2 nº2 P. 40 - 52 ago./dez.2015. Recuperado de: <http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/download/78/51>. Acesso em 15 out. 2015.

Instituto APAE de São Paulo. (2015). Resultados do projeto Seneca. DI Revista de deficiência intelectual. Ano 4, n. 6, p. 38 – 43, jan. – jun. 2014. Recuperado de: <http://www.apaesp.org.br/instituto/Documents/DI_n6.pdf>. Acesso em 10 jul. 2015

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Recuperado de: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2010/SIS_2010.pdf>. Acesso em: 9 jul. 2015.

Malloy-Diniz, L. F.; Fuentes, D. Cosenza, R. M. (Orgs.) (2013). Neuropsicologia do envelhecimento: uma abordagem multidimensional. Porto Alegre: Artmed.

Marin, M. J. S. et al. (2013). As condições de vida e saúde de pessoas acima de 50 anos com deficiência e seus cuidadores em um município paulista. Rev. bras. geriatr. gerontol. [online]. v.16, n.2, p. 365-374. 2013. Recuperado de: <http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v16n2/16.pdf>. Acesso em: 9 jul. 2015.

Martins, D. V.; Barbosa, R. S.; Silva, A. J. B. (2013). O desafio de envelhecer com síndrome de Down. Congresso internacional de envelhecimento humano: Avanços da ciência e das políticas públicas para o envelhecimento, Campina Grande PB. Recuperado de: < http://www.editorarealize.com.br/revistas/cieh/trabalhos/Comunicacao_oral_idinscrito_2219_fd3cfca6328935e0a423fbb942201f26.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2015.

Moraes, M. R. Q.; Souza, D. P. (2009). O idoso e a deficiência: uma análise da situação sócio-afetiva e educacional dos alunos com deficiência intelectual em fase de envelhecimento. Revista Igapó. v. 1, p. 18 – 27. Recuperado de: <http://www.ifam.edu.br/cms/images/stories/arquivos/revista_igapo/edicao_03/artigo02.pdf>. Acesso em 10 jul. 2015.

Moragas Moragas, R. (2010). Gerontologia Social: envelhecimento e qualidade de vida. 3.ed. São Paulo: Paulinas.

Neri, A. L. (2013). Fragilidades e qualidade de vida na velhice. Campinas, SP: Alínea.

Neri, A. L. (2012). Desenvolvimento e envelhecimento: perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas. 5. ed. . Campinas, SP: Papirus.

Neri, A. L. (2011). Qualidade de vida na velhice: enfoque multidisciplinar. Campinas, SP.: Alínea.

Nogueira, E. F. T.; Binoto, A. P. D.; Suplino, M. (2015). Envelhecimento da pessoa com deficiência intelectual na perspectiva do currículo funcional natural. APAE Ciência Federação Nacional das Apaes- Fenapaes Brasília/DF v.2 nº2 p. 9 - 12 8 ago.-dez.2015. Recuperado de:< http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/74/52>. Acesso em 7 jan. 2016.

Organização Mundial da Saúde (OMS). (2005). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Trad. Gontijo, S. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. Recuperado de: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf>. Acesso em: 9 jul. 2015.

Organização Mundial Da Saúde. The World Bank. (2012). Relatório Mundial sobre a Deficiência. TradLexicus Serviços Linguísticos – São Paulo. SEDPcD: São Paulo.

Pegoraro, C.; Smeha, L. N. (2013) A experiência da maternidade na velhice: implicações do cuidado ao filho com deficiência intelectual. Barbaroi [online]. 2013, n.39. Recuperado de: < http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=701918&indexSearch=ID>. Acesso em 20 nov. 2014.

Pessoti, I. (1984). Deficiência mental: da superstição à ciência. São Paulo: T. A. Queiroz: Ed. USP.

Portella, M. R. Colussi, E. L., Girardi, M. (2015). Percepções de envelhecimento e velhice entre adultos com Deficiência Intelectual. Revista Deficiência Intelectual, n. 9, ano 5, p. 3-10, jul-dez 2015. Recuperado de: <http://www.apaesp.org.br/pt-br/sobre-deficiencia-intelectual/publicacoes/PublishingImages/revista-di/artigos_pdf/DI_N9.pdf>. Acesso em 7 jan. 2016.

Prado, S. D. (2006). Das especificidades do envelhecimento: o caso da deficiência mental. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. [online], vol.9 n. 1 p. 93-94. Recuperado de: <http://revista.unati.uerj.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-98232006000100008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 9 jul. 2015.

Prumes, C. P. (2007). Ser deficiente, ser envelhescente, ser desejante. 104 f. Dissertação (Mestrado em Gerontologia) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. Recuperado de: <http://www.sapientia.pucsp.br/tde_arquivos/3/TDE-2007-05-28T11:41:33Z-3324/Publico/Cristiane%20P%20Prumes.pdf> Acesso em: 9 jul. 2015.

Rams, L. R.; Moscardi, A. (2004). Biologia do envelhecimento da pessoa com deficiência mental. In: FILHO, A. S. C.; GROTH, S. M. (Orgs.). Envelhecimento e deficiência mental: uma emergência silenciosa. São Paulo: APAE.

Rosa, E. R. et. al. (2014). Idosos com Síndrome de Down: como está sua condição social na sociedade? Revista Kairós Gerontologia,. vol. 1, p. 223-237, jun. 2014. Recuperado de: . Acesso em: 10 jul. 2015.

Saraiva, D. M. F. (2011). O olhar dos e pelos cuidadores: Os impactos de cuidar e a importância do apoio ao cuidador. 135 f. (Tese de Mestrado) Vol. 1 – Universidade de Coimbra, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação e à Faculdade de Economia, Coimbra, Portugal. Recuperado de: <https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/17858/1/TESE_MISIE_SET2011.pdf>. Acesso em 9 jul. 2015.

Schalock, R. L. [et al]. (2010). Intellectual disability: Definition, classification, and system of supports. 11.ed. Washington, DC: American Association on Intellectual and Developmental Disabilities..

Schettert, L. S. (2006). O deficiente mental idoso institucionalizado: reflexões sobre suas interações. 128f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de Passo Fundo. Recuperado de: <http://www.ppgedu.upf.br/index.php?option=com_docman&task=doc_details&gid=157&Itemid=>. Acesso em: 20 jan. 2015.

Schettert, L. S. (2007). Reflexões sobre as interações sociais: pessoas idosas com deficiência mental. Revista de Educação Especial [online] n. 29. Recuperado de: http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/educacaoespecial/article/view/4178/2520>. Acesso em 10 jul. 2015.

Segalla, J. I. S. F.; Silva, C. R.; Pedroso, G. S. ( 2008). O idoso e a deficiência: um novo olhar à questão da inclusão social do idoso. In: Congresso Nacional do CONPEDI, 17, Brasília DF. Recuperado de: < http://www.conpedi.org.br/manaus/arquivos/anais/brasilia/06_577.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2015.

Siqueira, M. E. C. (2011). Envelhecer com deficiência intelectual: ouvindo a cidade e a família. 110 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. Recuperado de: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000855864>. Acesso em: 9 jul. 2015.

Siqueira, M. E. C.; Neri, A. L. (2011). Qualidade de vida das pessoas que envelhecem com deficiência mental. In: NERI, A. L. (Org.). Qualidade de vida na velhice. 2. ed. Campinas, SP: Alínea.

Talhaferro, B.; Bianchi, L. C. A. P. (2013). Saber Down: terceira idade e fatores psicossociais. Revista científica Unilago. Ano 1, v. 1, p. 101 – 108. Recuperado de: <http://www.unilago.edu.br/revista/edicaoanterior/Sumario/2013/downloads/2013/SABER%20DOWN%20TERCEIRA%20IDADE%20E%20FATORES%20BIOPSICOSSOCIAL.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2015.

Valenza, A. A.; Pires Júnior, H. (2009). O envelhecer dos indivíduos com síndrome de Down. Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar, 6. Maringá. Recuperado de: < http://www.cesumar.br/epcc2009/anais/angelica_aparecida_valenza.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2015.

Xavier, M. A.V. (2015). Entrevista. APAE Ciências Federação Nacional das Apaes- Fenapaes Brasília/DF v.2 nº2 p. 4 - 8 ago.-dez.2015. Recuperado de: < http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/80/47>. Acesso em 7 dez. 2015.

Xavier, M. A. V. (2009). Pessoas com deficiência intelectual e envelhecimento das famílias cuidadoras. In: Kachar, V.; Xavier, M. A. V.; Lima, A. M. M. Novas necessidades de aprendizagem. São Paulo: Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social: Fundação Padre Anchieta. Recuperado de: <http://www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br/a2sitebox/arquivos/documentos/biblioteca/publicacoes/volume8_Novas_necessidades_de_ap-rendizagem.pdf>. Acesso em: 9 jul. 2015.

Polyphōnía: Rev. Educ. Inclusiva, Santiago, v.4, n.1, p.293-315, ene./jul. 2020-e-ISSN: 0719-7438.

Publicado

2020-01-02

Número

Sección

Artículos de Revisión: Reflexividades Polyphōnícas