Eles também emvelhecem… peculiaridades do envelhecimento das pessoas com deficiência intelectual

Fátima Elisabeth Denari, Priscila Alvarenga Cardoso Gimenes

Resumen


A expectativa de vida das pessoas com deficiência intelectual vem crescendo nos últimos anos e muitas estão alcançando a velhice, impondo à sociedade a necessidade de conhecer suas características e propor ações para assegurar a elas melhores condições de vida. Tendo em vista a restrita quantidade de estudos nacionais e a pouca divulgação dos mesmos, é relevante sistematizar e divulgar os conhecimentos construídos sobre esta temática. Neste sentido, foi realizada uma pesquisa bibliográfica com o objetivo de apresentar algumas peculiaridades do envelhecimento das pessoas com deficiência intelectual e sistematizar os estudos publicados no país que abordam o assunto. Para tanto foi empreendida uma pesquisa bibliográfica com revisão de literatura dos trabalhos nacionais publicados nas bases de dados ScientificElectronic Library Online (Scielo), Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) - Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), em sites e páginas de universidades e na Revista APAE Ciência, tendo como recorte temporal o período entre 2003 e 2015.Atenderam aos critérios 36 trabalhos, sendo dois livros e 34 trabalhos científicos, dentre eles uma tese de doutorado, três dissertações de mestrado, um capítulo de livro, uma entrevista e 28 artigos. A pesquisa bibliográfica possibilitou conhecer algumas características do processo de envelhecimento das pessoas com deficiência, com destaque para os desafios relacionados, sobretudo, às condições de saúde e aos seus cuidadores. A análise na produção nacional sobre o tema evidenciou que existem poucos estudos publicados e destes uma grande parcela refere-se a pesquisas incipientes, ou que abordam a temática de forma superficial, ressaltando a necessidade de estudos mais aprofundados e interdisciplinares que abordem a temática em suas diversas facetas.


Palabras clave


deficiência intelectual; envelhecimento; produção científica brasileira.

Texto completo:

PDF

Referencias


Aguiar, A. A. (2015). Deficiência intelectual, envelhecimento e neurociência: programas de intervenção cognitiva mais consistentes para as pessoas com deficiência intelectual e seus familiares. Revista Deficiência Intelectual, n. 9, ano 5, p. 30-35, jul-dez 2015. Recuperado de: . Acesso em 7 jan. 2016.

Albuquerque, S. M. L. (2008). Envelhecimento ativo: desafio do século. São Paulo, Brasil: Andreoli.

Aldrigue, A. S. C.; Souza, F; Santos; T. F. P. (2015). Deficiente intelectual e família: um estudo sobre o envelhecer. APAE Ciência Federação Nacional das Apaes- Fenapaes Brasília/DF v.2 nº2 p. 4 - 8 ago.-dez.2015. Recuperado de:. Acesso em 7 jan. 2016.

Alves, P. J. M. C. (2012). Estudo de follow-up do processo de envelhecimento de adultos com deficiência mental. 54 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2012. Recuperado de: . Acesso em: 9 jul. 2015.

Amaral, L. A. (1994). Pensar a diferença: deficiência. Brasília, DF: Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência.

Aranha, M. S. F. (1995). Integração social do deficiente: análise conceitual e metodológica. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, n. 2, p. 63-70, 1995. Recuperado de: . Acesso em: 11 jul. 2015.

Araujo, L. A. D.; Carvalho, T. A. O. P. ( 2015). Envelhecimento e deficiência: uma dupla vulnerabilidade. APAE Ciência Federação Nacional das Apaes- Fenapaes Brasília/DF v.2 nº2 p. 9 - 12 8 ago.-dez.2015. Recuperado de: . Acesso em 7 jan. 2016.

Beauvoir, S. (1990). A velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bento, V. C. P. (2008). Respostas sociais para o envelhecimento do indivíduo portador de deficiência mental. 434 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Instituto Superior de Serviço Social da Universidade Lusitana de Lisboa. Lisboa: [s. n.]. Recuperado de: . Acesso em: 10 jul. 2015.

Biancheti. L. (1995). Aspectos históricos da Educação Especial. Revista Brasileira de Educação Especial,Piracicaba,v. 2,. n. 3. Recuperado de: . Acesso em: 11 jul. 2015.

Biancheti. L. (1998). Aspectos históricos da apreensão e da educação dos considerados deficientes. In. Bianchetti, L.; Freire, I. M. (Org.). Um olhar sobre a diferença: interação, trabalho e cidadania. Campinas, SP: Papirus.

Brasil, F. R.; Fortanazi, S. A.; Correr, R. (2003). Desenvolvimento da identidade em pessoas com deficiência mental em fase de envelhecimento. Revista científica eletrônica de Psicologia, Marília, ano I número 1, nov. Recuperado de: . Acesso em: 20 jan. 2015.

Brasil, Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) / Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD) (2013). Viver sem Limite: Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com deficiência: SDH-PR/SNPD.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 5 out. 1988. Anexo. Recuperado de: Acesso em 29 jul. 2015.

Brasil. Lei n. 7853,de 24 de outubro de 1989. (1989). Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - Corde, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 25 out. 1989. Recuperado de: . Acesso em: 29 jul. 2015.

Brasil. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. p. 27833. Recuperado de: . Acesso em: 29 jul. 2015.

Brasil. Lei n. 10.741, de 1 de outubro de 2003. (2003). Dispõe sobre o estatuto do idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 03 out. 2003. p.1. Recuperado de: . Acesso em: 9 jul. 2015.

Brasil. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. (2008). Brasília, DF. Recuperado de: . Acesso em: 29 jul. 2015.

Breitenbach, N. (2001). Paralelos em envelhecimento. Recuperado de: . Acesso em: 10 out. 2015.

Caldas, C. P. (2004). O significado de cuidar de uma pessoa idosa que vivencia um processo demencial. In: FILHO, A. S. C.; GROTH, S. M. (Orgs.). Envelhecimento e deficiência mental: uma emergência silenciosa. São Paulo: APAE.

Carvalho, C. L.; Ardore, M.; Castro, L. R. (2015). Cuidadores familiares e o envelhecimento da pessoa com deficiência intelectual: implicações na prestação de cuidados. Revista Kairós Gerontologia, v.18 n.3, pp. 333-352. São Paulo: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP , jul. - set. 2015.

Carvalho, R. E. (1997). A nova LDB e a Educação Especial. Rio de Janeiro: WVA. Recuperado de: http://www.todosnos.unicamp.br:8080/lab/acervo/capitulos/A%20nova%20LDB%20-%20parte%201.doc>. Acesso em 28 out. 2015.

Cavalheiro, E. A.; Scorza, C. A. (2011). Envelhecimento e deficiência intelectual. DI Revista de deficiência intelectual. Ano 1, n. 1, p. 26 – 29. jul. – dez. 2011. Recuperado de: . Acesso em 10 jul. 2015.

Cipolla, M. A.; Lopes, A. (2012). Envelhecimento e Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais do município de São Paulo: uma caracterização dos serviços de atendimento a pessoa com deficiência intelectual. Revista Temática Kairós Gerontologia. n. 15, p.239-267, dez. 2012. Recuperado de: . Acesso em 10 jul. 2015.

Clemente Filho, A. S.; Groth, S. M. (Org.) (2004). Envelhecimento e deficiência mental: uma emergência silenciosa. São Paulo: Instituto APAE.

Costa, L. B. B. (2012). Essas pessoas que envelhecem...saberes de adultos com deficiência intelectual. 121f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Recuperado de: < http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/61972> Acesso em 20 out. 2014.

Fioravante, C. (2011). O preço da longevidade. Revista Pesquisa FAPESP, v. 189, p. 42 - 45. nov. 2011. Recuperado de: . Acesso em 10 jul. 2015.

Flórez, J. (2000). Aspectos médicos delanciano com deficiencia mental. In: GAFO, J.; AMOR, J. R. Deficiencia mental y final de la vida. Madrid: Universidad Pontificia Comillas.

Girardi, M.; Portella, M. R.; Colussi, E. L. (2012). O envelhecimento em deficientes intelectuais. RBCEH, Passo Fundo, v. 9, Supl. 1, p. 79-89, 2012. Recuperado de: . Acesso em: 20 jan. 2015.

Guhur, M. L. P.; Guhur, J. V. M. (2012). O envelhecimento de pessoas com deficiência mental e os desafios para famílias e instituições socioeducativas: um estudo exploratório descritivo. RBCEH, Passo Fundo, v. 9, n. 3, p. 316 – 329, set /dez. 2012. Recuperado de: . Acesso em 10 jul. 2015.

Guilhoto, L. M. F. F. (Org.) Envelhecimento e deficiência Intelectual: uma emergência silenciosa. 2. ed. São Paulo: Instituto APAE de São Paulo, 2013.

Guilhoto, L. M. F. F. (Org.) (2013). Envelhecimento e deficiência Intelectual: uma emergência silenciosa. 2. ed. São Paulo: Instituto APAE de São Paulo.

Guilhoto, L. M. F. F. et al. (2013). Deficiência Intelectual e aspectos da saúde do adulto e envelhecimento. In: Guilhoto, L. M. F. F. (Ed.) Envelhecimento e Deficiência Intelectual: uma emergência silenciosa. São Paulo: Instituto APAE DE SÃO PAULO, 2013. p. 231-244.

Guilhoto, L. M. F. F. et. al. (2014). Envelhecimento e deficiência intelectual na grande São Paulo. DI Revista de deficiência intelectual. Ano 4, v. 7, p. 4 -11. Jul. – dez. 2014. Recuperado de: . Acesso em: 10 jul. 2015.

Hayar, M. A. (2015). Envelhecimento e deficiência intelectual: o cuidador familiar como protagonista nos cuidados ao idoso. Revista APAE Ciência: Federação Nacional das Apaes - Fenapaes. Brasília/DF v.2 nº2 P. 40 - 52 ago./dez.2015. Recuperado de: . Acesso em 15 out. 2015.

Instituto APAE de São Paulo. (2015). Resultados do projeto Seneca. DI Revista de deficiência intelectual. Ano 4, n. 6, p. 38 – 43, jan. – jun. 2014. Recuperado de: . Acesso em 10 jul. 2015

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Recuperado de: . Acesso em: 9 jul. 2015.

Malloy-Diniz, L. F.; Fuentes, D. Cosenza, R. M. (Orgs.) (2013). Neuropsicologia do envelhecimento: uma abordagem multidimensional. Porto Alegre: Artmed.

Marin, M. J. S. et al. (2013). As condições de vida e saúde de pessoas acima de 50 anos com deficiência e seus cuidadores em um município paulista. Rev. bras. geriatr. gerontol. [online]. v.16, n.2, p. 365-374. 2013. Recuperado de: . Acesso em: 9 jul. 2015.

Martins, D. V.; Barbosa, R. S.; Silva, A. J. B. (2013). O desafio de envelhecer com síndrome de Down. Congresso internacional de envelhecimento humano: Avanços da ciência e das políticas públicas para o envelhecimento, Campina Grande PB. Recuperado de: < http://www.editorarealize.com.br/revistas/cieh/trabalhos/Comunicacao_oral_idinscrito_2219_fd3cfca6328935e0a423fbb942201f26.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2015.

Moraes, M. R. Q.; Souza, D. P. (2009). O idoso e a deficiência: uma análise da situação sócio-afetiva e educacional dos alunos com deficiência intelectual em fase de envelhecimento. Revista Igapó. v. 1, p. 18 – 27. Recuperado de: . Acesso em 10 jul. 2015.

Moragas Moragas, R. (2010). Gerontologia Social: envelhecimento e qualidade de vida. 3.ed. São Paulo: Paulinas.

Neri, A. L. (2013). Fragilidades e qualidade de vida na velhice. Campinas, SP: Alínea.

Neri, A. L. (2012). Desenvolvimento e envelhecimento: perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas. 5. ed. . Campinas, SP: Papirus.

Neri, A. L. (2011). Qualidade de vida na velhice: enfoque multidisciplinar. Campinas, SP.: Alínea.

Nogueira, E. F. T.; Binoto, A. P. D.; Suplino, M. (2015). Envelhecimento da pessoa com deficiência intelectual na perspectiva do currículo funcional natural. APAE Ciência Federação Nacional das Apaes- Fenapaes Brasília/DF v.2 nº2 p. 9 - 12 8 ago.-dez.2015. Recuperado de:< http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/74/52>. Acesso em 7 jan. 2016.

Organização Mundial da Saúde (OMS). (2005). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Trad. Gontijo, S. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. Recuperado de: . Acesso em: 9 jul. 2015.

Organização Mundial Da Saúde. The World Bank. (2012). Relatório Mundial sobre a Deficiência. TradLexicus Serviços Linguísticos – São Paulo. SEDPcD: São Paulo.

Pegoraro, C.; Smeha, L. N. (2013) A experiência da maternidade na velhice: implicações do cuidado ao filho com deficiência intelectual. Barbaroi [online]. 2013, n.39. Recuperado de: < http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=701918&indexSearch=ID>. Acesso em 20 nov. 2014.

Pessoti, I. (1984). Deficiência mental: da superstição à ciência. São Paulo: T. A. Queiroz: Ed. USP.

Portella, M. R. Colussi, E. L., Girardi, M. (2015). Percepções de envelhecimento e velhice entre adultos com Deficiência Intelectual. Revista Deficiência Intelectual, n. 9, ano 5, p. 3-10, jul-dez 2015. Recuperado de: . Acesso em 7 jan. 2016.

Prado, S. D. (2006). Das especificidades do envelhecimento: o caso da deficiência mental. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. [online], vol.9 n. 1 p. 93-94. Recuperado de: . Acesso em: 9 jul. 2015.

Prumes, C. P. (2007). Ser deficiente, ser envelhescente, ser desejante. 104 f. Dissertação (Mestrado em Gerontologia) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. Recuperado de: Acesso em: 9 jul. 2015.

Rams, L. R.; Moscardi, A. (2004). Biologia do envelhecimento da pessoa com deficiência mental. In: FILHO, A. S. C.; GROTH, S. M. (Orgs.). Envelhecimento e deficiência mental: uma emergência silenciosa. São Paulo: APAE.

Rosa, E. R. et. al. (2014). Idosos com Síndrome de Down: como está sua condição social na sociedade? Revista Kairós Gerontologia,. vol. 1, p. 223-237, jun. 2014. Recuperado de: . Acesso em: 10 jul. 2015.

Saraiva, D. M. F. (2011). O olhar dos e pelos cuidadores: Os impactos de cuidar e a importância do apoio ao cuidador. 135 f. (Tese de Mestrado) Vol. 1 – Universidade de Coimbra, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação e à Faculdade de Economia, Coimbra, Portugal. Recuperado de: . Acesso em 9 jul. 2015.

Schalock, R. L. [et al]. (2010). Intellectual disability: Definition, classification, and system of supports. 11.ed. Washington, DC: American Association on Intellectual and Developmental Disabilities..

Schettert, L. S. (2006). O deficiente mental idoso institucionalizado: reflexões sobre suas interações. 128f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de Passo Fundo. Recuperado de: . Acesso em: 20 jan. 2015.

Schettert, L. S. (2007). Reflexões sobre as interações sociais: pessoas idosas com deficiência mental. Revista de Educação Especial [online] n. 29. Recuperado de: http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/educacaoespecial/article/view/4178/2520>. Acesso em 10 jul. 2015.

Segalla, J. I. S. F.; Silva, C. R.; Pedroso, G. S. ( 2008). O idoso e a deficiência: um novo olhar à questão da inclusão social do idoso. In: Congresso Nacional do CONPEDI, 17, Brasília DF. Recuperado de: < http://www.conpedi.org.br/manaus/arquivos/anais/brasilia/06_577.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2015.

Siqueira, M. E. C. (2011). Envelhecer com deficiência intelectual: ouvindo a cidade e a família. 110 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. Recuperado de: . Acesso em: 9 jul. 2015.

Siqueira, M. E. C.; Neri, A. L. (2011). Qualidade de vida das pessoas que envelhecem com deficiência mental. In: NERI, A. L. (Org.). Qualidade de vida na velhice. 2. ed. Campinas, SP: Alínea.

Talhaferro, B.; Bianchi, L. C. A. P. (2013). Saber Down: terceira idade e fatores psicossociais. Revista científica Unilago. Ano 1, v. 1, p. 101 – 108. Recuperado de: . Acesso em: 10 jul. 2015.

Valenza, A. A.; Pires Júnior, H. (2009). O envelhecer dos indivíduos com síndrome de Down. Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar, 6. Maringá. Recuperado de: < http://www.cesumar.br/epcc2009/anais/angelica_aparecida_valenza.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2015.

Xavier, M. A.V. (2015). Entrevista. APAE Ciências Federação Nacional das Apaes- Fenapaes Brasília/DF v.2 nº2 p. 4 - 8 ago.-dez.2015. Recuperado de: < http://apaeciencia.org.br/index.php/revista/article/view/80/47>. Acesso em 7 dez. 2015.

Xavier, M. A. V. (2009). Pessoas com deficiência intelectual e envelhecimento das famílias cuidadoras. In: Kachar, V.; Xavier, M. A. V.; Lima, A. M. M. Novas necessidades de aprendizagem. São Paulo: Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social: Fundação Padre Anchieta. Recuperado de: . Acesso em: 9 jul. 2015.

Polyphōnía: Rev. Educ. Inclusiva, Santiago, v.4, n.1, p.293-315, ene./jul. 2020-e-ISSN: 0719-7438.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.

CELEI, es un Centro de Investigación especializado en la investigación de la Educación Inclusiva, reconocido por el International Consortium of Critical Theory Programs (ICCTP)

CELEI, es el primer centro de investigación creado en Latinoamérica y el Caribe (ALAC) y, en Chile, dedicado al estudio teórico y metodológico de la Educación Inclusiva. 

_________________________________________________________________________________________

  

CELEI, es un Centro de Investigación especializado en la investigación de la Educación Inclusiva, reconocido y con estatus asociativo al Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO).

CELEI, es el primer centro de investigación creado en Latinoamérica y el Caribe (ALAC) y, en Chile, dedicado al estudio teórico y metodológico de la Educación Inclusiva. 

_________________________________________________________________________________________


CELEI, es un Centro de Investigación especializado en la investigación de la Educación Inclusiva, reconocido y con estatus asociativo a la Red Iberoamericana de Pedagogía (REDIPE). 

CELEI, es el primer centro de investigación creado en Latinoamérica y el Caribe (ALAC), y en Chile, dedicado al estudio teórico y metodológico de la Educación Inclusiva. 

_________________________________________________________________________________________


CELEI, es un Centro de Investigación especializado en la investigación de la Educación Inclusiva, asociado a REDESOC de CEPAL.

_________________________________________________________________________________________


Encuéntranos en Zenodo: https://zenodo.org/

_________________________________________________________________________________________

 

 

Encuéntranos en Academiaedu: https://independentresearcher.academia.edu/Polyph%C5%8DniaRevistadeEducaci%C3%B3nInclusiva

© Mendeley: https://www.mendeley.com/profiles/polyphna-revista-de-educacin-i/ 

Encuentra los trabajos de investigación publicados por sus autores en Polyphōnía. Revista de Educación Inclusiva en RESEARCHERID.

Encuentra los trabajos de investigación publicados por sus autores en Polyphōnía. Revista de Educación Inclusiva en ACTA ACADÉMICA

website: https://www.aacademica.org/polyphnia.revista.de.educacion.inclusiva

 
 
Antes de remitir un trabajo a Polyphōnía. Revista de Educación Inclusiva, regístrate en: www.orcid.org

Visítamos en: https://scholar.google.cl/citations?hl=es&user=NGAFpOoAAAAJ


Recomendada por: 

Red Iberoaméricana de Investigación sobre la Calidad de la Formación Doctoral en Ciencias Sociales en las Universidades

 Revista Luz de la Universidad de Holguín, Cuba

 _________________________________________________________________________________________

Polyphōnía. Revista de Educación Inclusiva adhiere a la declaración de San Francisco (DORA)


INDEXACIÓN / INDEXING / INDEXAÇÃO:

  

Polyphōnía. Revista de Educación Inclusiva, se encuentra indexada en los siguientes Diectorios de servicio y texto completo con evaluación:

   


Polyphōnía. Revista de Educación Inclusiva, se encuentra indexada en los siguientes Catálogos, Bases de Datos, Directorios y agregadores a texto completo:

  

   

  

        

     

      

     

   

 

  

 

    

    

 



Polyphōnía. Revista de Educación Inclusiva, integra las siguientes asociaciones de Editores Científicos: 


          


Polyphōnía. Revista de Educación Inclusiva, se encuentra indizada en el catálogo electrónico de las siguientes  bibliotecas universitarias:

  • Biblioteca Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB), Alemania.
  • Catálogo electrónico de la Universidad de Cambridge, Reino Unido. 
  • Biblioteca de la Universidad de Manizales, Colombia.
  • Biblioteca Virtual de la Facultad de Educación de la Universidad Nacional del Centro del Perú, Perú. 
  • CRAI-UNRN Centro de Recursos para el Aprendizaje y la Investigación de la Universidad de Río Negro, Argentina. 
  • Biblioteca Central de la Universidad Juárez del Estado de Durango, México.
  • Biblioteca de la Universitat de Barcelona, España. 
  • Catálogo de la Biblioteca Laura Manzo y RIDAA de la Universidad Nacional de Quilmes, Argentina. 
  • Biblioteca Virtual de la Facultad de Ciencias Sociales de la Universidad de la República, Uruguay. 
  • Recursos Virtuales del Centro de Investigación Educativa 'Georgina Calderón' de la Univ. Pedagógica Experimental Libertador, Venezuela. 
  • Biblioteca de la Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro UFRRJ, Brasil. 
  • Biblioteca de la Universidad Santo Tomás, Sede La Serena, Chile. 
  • Riberdis, el Repositorio IBERoamericano sobre DIScapacidad dependiente del Centro Español de Documentación sobre Discapacidad (CEDD), España. 
  • Biblioteca de la Universidad Popular Autónoma del Estado de Puebla (UPAEP), México. 
  • Catálgo de la Biblioteca de la Universidad Nacional del Chimborazo, Ecuador. 
  • Catálogo electrónico del Servicio de Bibliotecas de la Universidad de Extremadura, España. 
  • Cátalogo electrónico de la Biblioteca de UNOCHAPECÓ, Brasil. 
  • SIBUBO, Catálogo de revistas de acceso abierto de la Universidad Bernando O'Higgins, Chile.  
  • Biblioteca Electrónica de Ciencia y Tecnología, Ministerio de Educación, Ciencia y Tecnología, Argentina. 
  • Catálogo electrónico de la Universidad de Ottawa, Canadá. 
  • Catálogo de la Biblioteca de la Universidad Academia de Humanismo Cristiano (UAHC), Chile. 
  • Biblioteca CRAI-Euclides Jaramillo Arango de la Universidad del Quíndio, Colombia. 
  • Sistemas de Bibliotecas de la Universidad Técnica Federico Santa María, Chile. 
 
        

(*) Polyphōnía. Revista de Educación Inclusiva (e-ISSN: 0719-7438) publicación científica del Centro de Estudios Latinoamericanos de Educación Inclusiva (CELEI) , ofrece el derecho de copiar, distribuir, exhibir y representar la obra y hacer obras derivadas siempre y cuando reconozca y cite la obra de la forma especificada por el autor sin ningún tipo de fin comercial o económico. La política editorial de nuestra revista y, en especial, del Centro de Estudios Latinoamericanos de Educación Inclusiva (CELEI), adscribe y ratifica la promulgación de Acceso Abierto (Open Access) establecida por la Iniciativa de Acceso Abierto de Budapest (Budapest Open Access Initiative: BOAI), aplicándose dicha normativa a todos sus trabajos, volúmenes y números publicados.

_________________________________________________________

(*) Polyphōnía. Journal of Inclusive Education (e-ISSN: 0719-7438) scientific publication of the Center for Latin American Studies of Inclusive Education (CELEI), offers the right to copy, distribute, exhibit and represent the work and make derivative works as long as it recognizes and cites the work of the form specified by the author without any commercial or economic purpose. The editorial policy of our magazine and, especially, of the Center for Latin American Studies of Inclusive Education (CELEI), ascribes and ratifies the promulgation of Open Access established by the Budapest Open Access Initiative: BOAI), applying said regulations to all its published works, volumes and numbers.

_________________________________________________________

(*) Polyphōnía. Revista Educação Inclusiva (e-ISSN: 0719-7438) publicação científica do Centro de Estudos Latino-Americanos de Educação Inclusiva (CELEI), oferece o direito de copiar, distribuir, expor e representar o trabalho e fazer trabalhos derivados desde que reconheça e cite o trabalho do formulário especificado pelo autor sem qualquer finalidade comercial ou econômica. A política editorial de nossa revista e, em especial, do Centro de Estudos Latino-Americanos de Educação Inclusiva (CELEI), atribui e ratifica a promulgação do Acesso Aberto estabelecida pela Iniciativa de Acesso Aberto de Budapeste: BOAI), aplicando os referidos regulamentos a todos os seus trabalhos publicados, volumes e números.

_________________________________________________________

Centro de Estudios Latinoamericanos de Educación Inclusiva (CELEI).

Center for Latin American Studies of Inclusive Education (CELEI).

Centro de Estudos Latino-Americanos de Educação Inclusiva (CELEI). 

Fondo Editorial CELEI. 

Carmen 566, Of. 1907, Santiago de Chile, Chile.

Código Postal: 8330453.

Tel: +56-2-32298300.

E-mail: polyphonia@celei.cl. 

WebSite Institucional: www.celei.cl

WebSite Oficial de la Revista: http://revista.celei.cl/index.php/PREI

OAI-PMH URL: http://revista.celei.cl/index.php/PREI/oai

Fecha de fundación de Polyphōnía. Revista de Educación Inclusiva: 15 de abril de 2016, publicando su primer número en enero de 2017 de forma ininterrumpida hasta a la fecha. 


El Centro de Estudios Latinoamericanos de Educación Inclusiva (CELEI), es el primer centro de investigación creado en Latinoamerica y el caribe (ALAC) y, en Chile, dedicado al estudio teórico y metodológico de la Educación Inclusiva fundado el 05 de marzo de 2015 en la ciudad de Santiago de Chile. 

 

 

 

Redes Sociales de Polyphōnía. Revista de Educación Inclusiva


Visítanos en: https://www.linkedin.com/in/centro-de-estudios-latinoamericanos-de-educaci%C3%B3n-inclusiva-celei-ab271b116/ 


Visítanos en: https://twitter.com/centro_celei?lang=es



© 2016 Centro de Estudios Latinoamericanos de Educación Inclusiva (CELEI), institución internacional dedicada al estudio teórico y metodológico de la Educación Inclusiva. 


CELEI, es el primer centro de investigación sobre Educación Inclusiva creado en América Latina y el Caribe y, en Chile. Articula su actividad desde un enfoque interdisciplinario y post-disciplinar, metodológicamente, avanza en la creación de saberes y metodologías de investigación emergentes, ubicándose sus investigadores en las intersecciones de sus principales disciplinas, métodos, discursos, objetos, influencias y teorías confluyentes, configurando una red compleja y reticular de problemáticas analítico-metodológicas. 

CELEI, concibe la Educación Inclusiva como un mecanismo de transformación de todos los campos de la Ciencia Educativa. Su fuerza performativa, moviliza un discurso de alteración de los lenguajes, vocabularios, marcos y formas de penar y experimentar la educación para la multiplicidad de diferencias. Orienta su actividad hacia la creación de conceptos, herramientas metodológicas y saberes que permitan leer críticamente el presente. 

 

Polyphōnía. Rev. Educ. Inclusiva, Santiago, e-ISSN: 0719-7438