O Recurso Praxiológico Bourdieusiano: uma perspectiva epistemológica ante a dicotomia subjetivista e objetivista

Autores/as

  • Sótero Araújo Medrado Departamento de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié - Brasil

Palabras clave:

Reflexividade, praxiológico, autorreferenciado, objetividade, subjetividade.

Resumen

Pautar a temática da subjetividade e da objetividade seja qual for à perspectiva adotada, se a  do ponto de vista do dualismo psicofísico cartesiano ou dos postulados do empirismo britânico -pressuposto básico experimental do ato de conhecer-  seja dos postulados do idealismo alemão -dialética transcendental e o espírito absoluto hegelianos (pensar e ser são o mesmo)- quer seja do Idealismo kantiano e sua crítica da razão pura (a existência das categorias a priori do entendimento) – enfim, quer seja das abordagens fenomenológicas, existencialistas e marxistas, bem como da teoria socioanalitica de Pierre Bourdieu, cujo objeto está posto nesse debate, digo, não é tarefa das mais fáceis, qualquer que seja à ótica assumida, nos depararemos com elementos complexos da sua constelação conceitual. Considerando à sua imprescindibilidade nas discussões em muitos domínios das ciências humanas, como se verifica, os conceitos de sujeito e objeto estão na agenda dos fóruns temáticos bourdiesianos, que perseguem soluções epistêmicas para diversos problemas sociais, tais como: educacionais, ideológicos, econômicos, culturais, gênero, etc. Decerto esse é um tema rizomatizado (conceito deleuziano) na historia do pensamento ocidental. Assim sendo, tal temática deve ser tomada na sua diacronicidade evolutiva e no seu aspecto sincrônico, vez que se transmuta às necessidades das demandas sócio-históricas. Não obstante o seu caráter diacrônico, o tratamento dado por Bourdieu a esses termos é original e ainda mais original é a solução por ele apresentada, i.é., a praxiologia, a reflexividade e o caráter autorreferenciado do observador social. O método aqui assumido é o da análise e síntese  do  cotejamento das fontes primaria e secundaria do autor e seus interlocutores credenciados. Assim, o nosso objetivo aqui é responder às questões sensíveis que nos inquietam: qual o papel da praxiologia na socioanalitica bourdieusiana? O que acontece com sujeito e objeto depois da praxiologia?, ¿quais os desdobramentos epistêmicos das instâncias: sujeito e objeto depois da praxiologia? O que deve fazer o observador social diante dos seus próprios condicionamentos estruturados e estruturantes? Segue-se que, o saldo teórico que extraímos desse estudo, é o aprendizado acerca do modus operandi da maquinaria praxiológica de seu sistema teórico, e possíveis implicações epistemológicas da sua analítica social.

Biografía del autor/a

Sótero Araújo Medrado, Departamento de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié - Brasil

Sótero Araújo Medrado é doutorando do Posgrado en História y Epistemología de la Ciência,pela UNTREF – Universidad Nacional Tres de Febrero- Bueno Aires, Argentina.É docente efetivo da Cátedra de Filosofia e História de La Ciência,na UESB – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.Tem Bacharelado em Teologia pela UCSal – Universidade Católica do Salvador-BA.É especialista em Psicopedagogia.Atualmente é coordenador da AFIM – área de Filosofia e Metodologia do DCHL.Por muitos anos coordenou do projeto de extensão Café Phylo com Sócrates.

Citas

Aranha, M. L. A., Martins, M. H. P. (2009). Filosofando: Introdução à Filosofia, (4a Ed.). São Paulo: Moderna.

Bourdieu, P.(2015). A Economia das Trocas simbólicas. (Coleção de estudos dirigida por J. Guinsberg). (8a ed).São Paulo: Perspectiva.

Bourdieu, P. (2018). A Produção da crença. Contribuição para uma economia dos bens simbólicos. (3a ed). Porto Alegre: Zonk.

Bica, L. (1997). Racionalidade Moderna e Subjetividade. (Coleção de Filosofia). São Paulo: Loyola.

Collingwood, R.G. (1986). Ciência e Filosofia. Santa Maria da Feira: Presença

Deleuze, G. (2012). Empirismo e Subjetividade: Ensaio sobre a Natureza humana segundo Hume. (trad. Luis Orlandi). (2a ed). São Paulo: Ed.34.

Ingram, D.Habermas e a dialética da razão (2a ed), (Tradução de Sérgio Bath).Brasília: Ed. UNB

Durkheim, E. (1978). Da divisão do trabalho social: As regras do método sociológico: o suicídio: as formas elementares da vida religiosa (Seleção de Textos de José Arthur Giannotti). (trad: Carlos Alberto Ribeiro de Mourão et al.). São Paulo: Abril Cultural.

Husserl, E. (1996). (Investigações Lógicas: Elementos de uma elucidação fenomenológica do conhecimento). Os Pensadores. (trad. Zeljko Laparic e Andréia Maria Altino de Campos Laparic). São Paulo: Nova Cultural.

Matthews, E. (2010). Compreender Merleau-Ponty. Petrópolis: Vozes.

Oliveira, M. (1995). A Filosofia na crise da Modernidade. (2a ed). São Paulo: Loyola.

Popper, K.R (1980). A lógica da Investigação Cientifica: Três concepções acerca do conhecimento humano: A sociedade aberta e seus inimigos (trad: Pablo Ruben Mariconda e Paulo de Almeida). São Paulo: Abril Cultural.

Reale, G., Antiseri, D.(1990).História da Filosofia.São Paulo:Paulinas

Stein, E. (1993). Seminário sobre a Verdade: Lições preliminares sobre o parágrafo 44 de Sein und Zeit. Petrópolis: Vozes.

Tovillas, P. (2010). Bourdieu: una introdución. Buenos Aires: Quadrata.

Cattani, A. M., Nogueira, M. A., Hey, A.P & Medeiros, C. C.C.(orgs) (2017). Vocabulário Bourdieu. (1a Ed). Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Publicado

2020-08-01

Cómo citar

Araújo Medrado, S. . (2020). O Recurso Praxiológico Bourdieusiano: uma perspectiva epistemológica ante a dicotomia subjetivista e objetivista. Polyphōnía. Revista De Educación Inclusiva / Polyphōnía. Journal of Inclusive Education, 4(2), 255-272. Recuperado a partir de https://revista.celei.cl/index.php/PREI/article/view/213

Número

Sección

Artículos de Revisión: Reflexividades Polyphōnícas